quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

PAZ

Aconteceu no estadio de futebol:
os torcedores do time local
engalfinhados tipo fera fora de controle
nem sabiam o motivo propulsor da rusga,
entretanto alimentavam uma briga inútil,
estúpida, inconsequente e não inteligente,
como são as contendas desnecessárias...
mas eis  que de repente, surge uma menina,
deficiente visual, na arquibancada superior,
abre um saco e derrama pétalas de rosas
sobre os brigões idiotas...
Acordei nesta parte da história e tentei dormir,
mas o cérebro ficou martelando sobre o sonhado,
buscando uma causa para as desavenças,
para as brigas, para escaramuças, para as guerras
no entanto não encontrei  nada,
porque no fundo não existe motivo
para os desentendimentos observados em toda parte...
Então, por que não aproveitemos a virada do calendário
e gritemos junto com o espírito de Ernest Hemingway"
Adeus às armas.

Desejo a todos os meus amigos, amigas e inimigos (acho que não os tenho,
mas se houver algum inimigo oculto, está inserido no contexto) um LINDO
E MARAVILHOSO 2015,  com muita tranquilidade, saúde , sucesso e PAZ;
UMA  OVERDOSE DE PAZ.





domingo, 28 de dezembro de 2014

A VIDA É CURTA

Quando eu era jovem
os mais velhos diziam,
corram, andem rápido,
porque a vida é curta!

Os religiosos complementavam:
não malbaratem o tempo,
 aproveitem as horas,
porque a vida é única!

Naquele época
eu tinha o pensamento confuso
em relação ao tempo
e não atinava o que seria pouco ou muito.

Mas doutrinado
pela filosofia da vida passageira
não admitia ficar parado
desperdiçando a quota de existência.

E eis que de repente um mendigo
surpreende-me com uma tirada imprevista
quando lhe pergunto por que está sempre parado
e ele responde que está aproveitando a vida!


quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

ENTÃO É NATAL,

Então é Natal,
do rico e do pobre
escreveu o cancioneiro.
A mídia canta o natal
dos famosos
A imprensa propala
o natal dos políticos.
Entretanto ninguém fala
do natal dos desvalidos.
Ninguém lembra do natal
do marido enganado
e da esposa traída.
Nem do natal
dos desesperados.
do natal dos perseguidos,
do natal dos humilhados,
do natal dos ensandecidos,
do natal dos encarcerados,
 do natal dos mendigos,
do natal dos deportados,
do natal dos lunáticos,
 do natal dos enlutados,
do natal dos furiosos,
do  natal  entrevados,
do natal dos larápios,
do natal amaldiçoados,
 do natal do morador de rua,
do natal do viciado. . .

E
   N
       T
          Ã  
              O
                  É
                      N
                          A
                              T
                                  A
                                      L
                                   

                   





domingo, 21 de dezembro de 2014

PRECISO APRENDER A SER SIMPLES

O menino que mora dentro  de mim
visitou-me na noite passada
e falou-me de coisas que eu havia esquecido
e de outras que estavam confusas na mente
porque à medida que o tempo avança
parece que cria-se um véu sobre a memória

Ele faz eu lembrar  dos meus natais antigos;
dos velhos  presentes aparentemente singelos
que a gente aguardava com tanta ansiedade,
inclusive daquela permuta no natal de 1961
quando eu troquei os presentes por uma viagem
a um sítio para aprender andar a cavalo.

Relembrou-me das minhas artes e peripécias
quando os guris mais velhos e mal-criados
incitavam-me a colocar rabo de papel
nos transeuntes distraídos sobre o passeio
e dos palavrões que eu aprendia com a galera
mas não os repassava porque tinha vergonha.

De repente, dentro do sono, percebi que ia acordar,
então perguntei ao meu velho  e jovem inquilino
porque ele apareceu através do sonho em vez
de vir quando estou desperto e consciente.
De pronto disse-me que tal método não funciona comigo
porque eu perdi a humildade natural das crianças.

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

SE

Se você reduzisse os gastos
com as festividades natalinas
e doasse o valor economizado
com as obras beneficientes
você estaria regendo
uma canção  de amor.

Se você parasse de fumar
e guardasse o dinheiro gasto
no tabaco durante um ano
poderia transformar a noite
de natal de uma família pobre.

Se você cortasse parte  da bebida
além de beneficiar a saúde e o espírito
ainda poderia economizar uma quantia
suficiente para alegrar a vida
de uma criança carente no natal.

Se a gente dedicasse
um pouquinho do nosso tempo
em prol dos necessitados
estaríamos fazendo a revolução
sem precedentes e necessária.

Por que estamos centrados em nós mesmos
preocupados apenas com nosso umbigo
desligados das dores à nossa volta
como se fôssemos cartas fora do baralho?
Porque não conhecemos a palavra solidariedade!


terça-feira, 16 de dezembro de 2014

ERICO VERISSIMO , 17-12-1905 / 28-11-1975

Cresci lendo Erico,
encantado com a fluência
da sua escrita e com o arranjo
das personagens dentro das histórias.

O próprio autor se dizia um contador de histórias,
histórias aparentemente simples à 1ª investida
entretanto à medida da reflexão centrada,
percebe-se que a singeleza é aparente.

Velho Erico, nascido em 1905
Contador de "Caminhos Cruzados",
o drama cotidiano das histórias urbanas;
criador do monumental "Tempo e o Vento",
painel cinematográfico do nosso  Rio Grande.

Envelheço relendo o bom autor de Cruz Alta,
por  vezes ainda cismado com o enredo
do livro  "Olhai os Lírios do Campo",
outras vezes fico  rindo sozinho
com "Incidente em Antares"







domingo, 14 de dezembro de 2014

TEMPO DE BRIGA

Ultimamente briga-se por qualquer coisa.
Tudo é motivo para demandas inúteis.
Gasta-se energia com discussões tolas.
E quando  o caldo entorna
e a contenda ultrapassa o bate-boca
 as altercações  verborrágicas
deságuam nas vias de fato.

Briga-se por causa do futebol
porque o torcedor não admite
a existência do time adversário.
Briga-se no fluxo do trânsito
porque o condutor não quer
dividir a pista com o outro
Briga-se na seção do trabalho
porque o destemido valente
acha-se o mais inteligente da turma.

Parece que a velha compostura,
educação, elegância e finesse
se perderam por falta de adeptos
e sob os auspícios dos novos hábitos
vamos nós se especializando na grossura.


quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

DIREITOS

Dez de dezembro,
dia internacional
dos direitos humanos;
objetos vilipendiados
mundo a fora...

Diariamente neste país
clama-se por direitos básicos
apesar de estarem assegurados
na carta constituinte,
entretanto, as reivindicações
das partes prejudicadas
perdem-se no vazio da indiferença.

Aqui, nos últimos tempos
até houve alguns avanços,
acompanhados de retrocessos,
mas o certo é que direitos
continuam escorrendo pelo ralo.
E o respeito pelo cidadão,
algo que se perdeu no passado.






segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

TÃO FÁCIL CRITICAR

Somos especializados na arte
de vasculhar comportamentos
e formados na (in)disciplina
de elencar defeitos alheios
mas esquecemos de olhar
nosso calcanhar de Aquiles.

Outro dia eu comentava
atitudes perversas praticadas
por incautos no próprio corpo,
tipo cirurgias transformadoras
com o fito de alterar a aparência
ou aquelas dietas recuperadores
da velha silhueta...

Então, de repente dei-me conta
das minhas angústias, no passado,
relativas às minhas parcas medidas,
um metro e sessenta e cinco de ossatura
e também com a minha falta de peso,
cinquenta e sete quilos naquela estágio,
porém mais tarde veio a  gordura...
Depois, aquele velho filme:
patrulha no alimento;
corta isso, põe aquilo,
pouco carbohidrato,
muita verdura, mais frutas,
mas acabei ficando cliente
do velho "efeito sanfona"...

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

RADINHO DE BOLSO

À medida que dezembro desliza
pela trilha imprevisível do tempo
fico a relembrar velhas emoções
vivenciadas nos natais de outrora,
o que significa que venho de longe,
que já não cozo à primeira fervura,
que dobrei o cabo da boa esperança...

Em meio às reminiscencias dormidas
lembro-me dos natais antigos,
época escrita pela simplicidade,
quando uma bola de futebol
ou um  radinho de pilhas
fazia a gente feliz...

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

TANTA ESTRELA POR AI

Ainda ouço a voz do velho Raul
escapando rouca e rebelde do vinil:
sei que tem tanta estrela por ai...

Milhões de estrelas  por ai.
Milhões de galáxias por ai
zilhões de seres, certamente,
espalhados pelos planetas,
inseridos nessas galáxias;
entretanto, queremos acreditar
que somos os únicos
perdidos na imensidão...

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

VELHO DEZEMBRO

Então  percebi que dezembro
entrou sem bater na porta.
Com suas passadas largas
está avisando os mortais,
que não pretende se demorar,
que está cansado
de dar suporte à farsa,
pois nem as crianças acreditam
na história do bom velhinho,
porque Natal, hoje em dia,
virou barganha no comércio.
Dezembro anda ressentido
com a ingratidão da galera,
que depois da comilança
e beberança do dia 25
cospe no prato, e no dia 31
quer vê-lo pelas costas,
pois não fala de outra coisa
que não seja a entrada
do  NOVO ANO.