terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

VITÓRIA

Apesar da leis existentes
de proteção à pessoa
o cidadão anda tão desprotegido
como sempre foi;
sobretudo, quando se trata
de  indivíduos inseridos nas camadas pobres.

Quando o  assunto  é saúde pública,
então,  é um verdadeiro descalabro.
As mídias deste país anunciam, a mando dos  governos,
 propagandas fantasiosas de serviços
 que os usuários necessitados desconhecem.

São pessoas morrendo nas filas de espera
por falta de atendimento.
São funcionários estressados e insensíveis
zombando da população desassistida.
Dentro desse  quadro preocupante
algumas situações lembram
o mundo caótico de Kafka,
como por exemplo,
o episódio  que ocorreu
pouco antes do carnaval
num posto de saúde,
na  zona sul de  Porto Alegre,
quando uma mulher grávida,
prestes a dar a luz,
foi mandada para a casa
pelos médicos do dito posto,
por que segundo os doutores
não estava na hora da criança nascer,
entretanto, a criança nasceu
trinta minutos depois,
na parada de ônibus próxima ao posto.
Mãe e filha foram assistidas
pelas pessoas que estavam naquele local.

A mãe deu o nome de Vitória à filha
 numa justa homenagem aqueles desconhecidos
que as ampararam,
no momento em que o órgão responsável pela vida
foi omisso.



sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

O REINO DOS CÉUS

Há muito tempo,
muito tempo mesmo,
ouvi um sermão fervoroso
de um clérico entusiasmado,
exortando os fiéis
a buscar o reino de  Deus
aqui na terra.

Aquele religioso pregava
através de parábolas
extraídas do evangelho
e à medida que falava,
empolgado com as próprias palavras,
dizia e gritava que era necessário fugir
das artimanhas do inimigo,
o qual estava sempre à espreita
das almas desavisadas.

Estimulado por aquele discurso,
percorri várias vertentes,
através de seitas,
sociedades secretas,
grupos iniciáticos
e círculos esótericos,
á procura do portal
do reino dos céus.

Depois de muito tempo,
cansado dos rituais,
encontrei um velhinho diferente
de todas as pessoas que havia conhecido.
O que me chamou a atenção foi
a tranquilidade e a paz que olhos dele transmitiam.
Fiquei seduzido quando ele disse:
amigo, passei longos anos angustiado,
buscando o reino dos céus por vários caminhos,
porém, um dia  surgiu, à minha frente, a luz de Damasco,
quando fui intuído a fazer o bem indiscriminadamente.
Então minha vida mudou.
Agora eu sei que o reino de  Deus
está no  coração do homem!


quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

FERIADÃO

No último feriado a metrópole
parecia uma cidade fantasma.
A população havia debandado
em busca de distração e lazer.

As pequenas cidades balneárias
incharam por causa do "descanso"
dos homens da cidade grande.
O que deveria ser diversão
se transformou em balbúrdia
e o almejado repouso dos indivíduos
itinerantes
ficou descansando na cidade
de origem das criaturas.

Dia seguinte ao feriadão,
retorno às funções de trabalho
e às necessárias lides cotidianas
em meio às discussões exaltadas
entre os colegas nervosos, devido
à carga estréssica gerada
pelo transito de retorno de feriado.

domingo, 19 de fevereiro de 2012

LEIS

As leis são projetadas
pelos deputados, senadores e vereadores.
As leis são sancionadas
pelos governadores, prefeitos
e pelo Presidente da república.

O forno das assembleias
 e das câmaras deste país
fabricam leis
como as padarias
fazem pães.

Entretanto,
há um clamor popular
por novas leis.
Atiçado pela mídia, o povo diz
que as leis caducaram.

Seja como for,
parece que têm leis em demasia
dormindo nos compêndios
e antes de mais nada
é necessário a execução equânime
das leis existentes.


sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

AZUL

Passei a juventude
vestindo blue jeans
e camisetas celestes
porque o azul sempre foi
minha cor favorita.

Naquele tempo
gastava as manhãs
andando pelos parques,
procurando nas estações
as flores azuis.

Nos dias de tempo bom
e de céu limpo
o mundo fica iluminado.
O planeta entra em outra dimensão,
a alegria aflora no espírito
das pessoas receptivas
à mansitude do azul.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

RAMERAME

Estamos acorrentados
à trivialidade diária.
Dependentes formalizados
da banalidade cotidiana,
imersos em um sistema estagnado,
não conseguimos redirecionar
nosso modus vivendi...                      

Presos às concepções arraigadas,
não recuamos um milímetro
do script gravado em nosso cérebro.
Provavelmente morreremos repetindo
antigos passos da senhora rotina...

Todos os dias, ritualisticamente,
vestimos as mesmas roupas,
andamos pelas mesmas ruas,
repetimos o mesmo discurso
às pessoas à nossa volta.
Lemos as mesmas notícias,
plugamos os mesmos canais,
dormimos nas mesmas camas...

Até que um dia vamos perceber,
que esquecemos de viver aqueles projetos
gerados durante a juventude,
que os sonhos dourados  amarelaram,
que a nossa vontade amoleceu
e o novo parece um filme de ficção científica...








sábado, 11 de fevereiro de 2012

PERVERSIDADE

Nos dias atuais
o homem ainda se diverte
com esportes estúpidos,
como a matança de animais.

Resquício da crueldade
dos tempos bárbaros,
quando bebíamos
o sangue dos adversários.

Avesso às leis naturais,
o homem difere muito do animal:
enquanto o bicho age
obedecendo o instinto
de conservação e preservação da espécie,
a ação humana desequilibra a natureza.

Hoje, refletindo,
confesso meus crimes:
fui caçador,
alvejei animais
que fugiam feridos
e morriam agonizando
em meio aos campos.

Quando abandonei as caçadas,
fui praticar a pesca esportiva,
justificando-me: agora não pratico o mal;
pesco os peixes por brincadeira
e os devolvo à água.
Mas no fundo ainda prevalecia o egoísmo,
pois meu desejo estava alavancado no orgulho
que busca o aplauso.
Na verdade eu corria atrás do troféu
de melhor pescador entre os meus amigos.
Não matava o produto da pesca,
porém esquecia-me de que o anzol
machucava e feria os peixinhos.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

BISSEXTO

Alguns vocábulos
da língua  portuguesa
soam especiais
aos nossos ouvidos.
Lembro que  Erico Verissimo
falava das palavras gordas...

Este poeta
quando criança
adorava o som
de inexorável,
simbiose,
factível e
sobretudo, bissexto

Quando me disseram
que bissexto é um  período quartenário
e  que nesses eventos o mês de fevereiro
ganha um dia de bônus,
achei  interessante a sorte dos nascidos
no d ia 29
e os considerei indivíduos especiais.

Mais tarde, quando soube
 que Manoel Bandeira chamava
de poeta bissexto
aquele que publica um poema
a cada quartela,
pensei comigo, taí:
quero ser, pelo menos,
um poeta bissexto!
Ah, objetivo inalcansável,
continuo sendo um poeta anônimo!



domingo, 5 de fevereiro de 2012

A VERDADE

Há milhares de anos,
Sidarta Gautama
do alto da sua sabedoria
já ensinava
a conveniência da moderação.

O mestres dos mestres
veio mostrar o caminho,
a verdade e a vida,
mas com o passar do tempo
as religiões aprisionaram
a doutrina de Jesus
ao pé da letra morta.

De tempos em tempos
espíritos iluminados
como:
Francisco de Assis,
Alan Kardec,
Madre Teresa,
Chico Xavier...
descem à terra
com a missão de despertar
nossa consciência embotada.







quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

ENFERMIDADE

Estive doente dos olhos
e ninguém percebeu
minha afecção "entre aspas".
Eu andava preocupado
com o meu umbigo
e não via nada ao meu redor.

Estive doente da língua
mas não parei de falar,
aliás, exercitei a eloquência
falando mal dos outros.

Andei doente das pernas
mas caminhei muito
indo aos lugares sórdidos,
perambulando com prazer
nas jogatinas e nos lupanares,
 tornei-me um frequentador assíduo
do território do vício.

Estive doente das mãos,
mas colhi os melhores frutos
para o meu deleite
e deixei de conduzir os fracos,
 os cegos e os doentes,
enquanto dava tapinha nas costas
das pessoas influentes.

Estive doente da moral,
abusei da falta de responsabilidade,
fugi das obrigações,
descuidei-me dos deveres,
tornei-me um relapso e cínico.
Nas poucas vezes em que pratiquei a caridade
a fiz em vista de terceiros
para que o meu nome fosse divulgado.

Ao  acordar desse sonho patife,
pensei com os meus botões, aliviado,
que bom que foi apenas um pesadelo,
mas à medida que ia refletindo
sobre as coisas que havia sonhado,
ouvi uma voz que vinha do fundo das entanhas;
era a consciência. Esse ente
que conhece a verdade, disse:
que ruim que isso não foi um sonho,
mas um resumo da tua realidade comportamental!
Entretanto, sempre é possível
uma mudança de conduta.
Se quiseres fazer, corre,
pois não tens todo o tempo do mundo!