quinta-feira, 22 de junho de 2017

VOCÊ QUE IR LONGE?

Outro dia li uma cronica
do Carlos Heitor Cony,
na qual ele dizia que
não é bom viver muito:
ele, nonagenário, estava só
seus pares já haviam partido
e a saúde  claudicava...
Eu penso, com meus botões, que
quando a boa disposição mental
acompanha o ser na ancianidade
e o esqueleto obedece os comandos,
o sujeito tirou bilhete premiado.


terça-feira, 20 de junho de 2017

FRIO NOSSO DE CADA INVERNO

Agora as coisas estão nos lugares:
o frio está chegando devagarinho
cumprindo  função   protocolar.
Seria inadequada sua ausência
no bico do Brasil Meridional,
 à entrada de mais um  inverno,
A gauchada espera do calendário,
a função curricular da estação:
frio para aquecer nossa alma.
Que prossiga com tudo de direito,
frio que nasce ao pé da Patagônia
e traz o minuano para o Rio Grande.
 Inverno meia-boca não tem graça,
pois o inconsciente coletivo daqui
foi plasmado sob  estética do frio.







sábado, 17 de junho de 2017

O NOVO?

Nos  momentos críticos,
e são tantos,
da política nacional,
 surgem os "messiânicos"
propondo caminhos novos
através de percursos antigos
Grupos recentes, entre aspas,
propugnam-se
guardiões dos valores
que foram esquecidos
e jogados na lata do lixo.
Gostaria de saber de  onde procedem
estas vestais.
Será que vêm da lua?



























terça-feira, 13 de junho de 2017

E AGORA JOSÉ?

Assistimos pasmos
os lances suspeitos
que aliviaram a pele,
por ora, quem sabe,
do amigo da JBS.
Sob a justificativa
de que não se derruba
presidente a toda a hora
o ministro Gilmar Mendes
meteu os pés pelas mãos.
O "arauto da estabilidade"
nesta história mal contada,
exige  priorização do mandato
ainda que o alicerce do mesmo
esteja impregnado da lama corrupta.



domingo, 11 de junho de 2017

O QUE SERÁ, O QUE SERÁ?

O frio chegou
no sul  do meu país
já nevou em Urupema,
em São José dos Ausentes,
de  repente em Gramado,
Mas no paralelo 30,
por enquanto,
 só uma  aragem
e  faz dez graus
Aqui no paralelo mágico,
 não neva nunca.
Para ver neve os filetes gelados
só  subindo a serra
ou dando  um  pulo em Santa.
Mas  se a gente fizesse campanha
para a neve  nos visitar,
acho que  poderia dar certo,
Não tão  certo quanto a absolvição
da propinada chapa Dilma-Temer,
mas se poderia tentar...
Ah, lembrei de uma música!
Não direi o nome do autor,
por que ele deve estar contente
com o "carimbaço" do STE
"O que  será,  o que serà?
O que não tem juízo.
O que não tem decência nem nunca terá!"...



sexta-feira, 9 de junho de 2017

NAQUELE TEMPO

O sonho de consumo
da minha geração
era radinho de pilhas
e calça azul desbotada.
Hoje,isso soa estranho:
como éramos primitivos!
Vivíamos com nossas tralhas,
enchíamos as salas dos cinemas
e curtíamos nossas gírias.
nos bate-papos das patotas.
Meus caros jovens,
somos, sim, jurássicos!

quarta-feira, 7 de junho de 2017

ALHOS E BUGALHOS

A moça impoluta corou
quando o homem do armazém
disse que ia tirar a tara do treco,
depois ficou vermelha
cor de morango maduro
e saiu a correr, soluçante...
A menina, ignara, não sabia
que tara na linguagem bolicheira
significa subtrair o valor
do peso correspondente à embalagem
da  mercadoria aferida no prato da balança.
Desconhecendo o sentido do termo proferido,
a garota, crua, disse à mãe que o negociante
lhe dissera (ipsis litteris) que ia tirar a tara.
A mãe de pouca escola e de poucas  luzes,
pôs-se a gritar, segurando o rosário:
Deus nos livre dos tarados!